A imagem do feminino

A representação do feminino e do padrão de beleza tiveram várias mudanças de acordo com sua época.

A famosa estátua Vênus de Milo representava o ideal de beleza da da Antiguidade Clássica, uma das poucas obras originais da época.

Porém, no período pré-histórico a beleza feminina era representado com figuras corpulentas e avantajadas. Um dos mais emblemáticos exemplos deste padrão de beleza é a Mulher de Willendorf, ou Vênus (segunda foto), uma estátua esculpida há mais de 22 mil anos, que simboliza a fertilidade.

Naquela época, a sobrevivência da espécie era um dos grandes desafios para o ser humano. A fertilidade era percebida na vitalidade do corpo e era considerada sagrada e bela.

Durante o Renascimento, o padrão de beleza também era de corpos mais volumosos. Esse período foi logo após a Idade Média, que foi marcada por crises na alimentação, morte por fome e doenças como a peste bubônica. Então, ser gordinha no período renascentista era sinônimo de saúde e riqueza e fartura.

Mais recentemente, no período moderno o padrão de beleza oscilou de acordo com as décadas. Nos anos 1950 o referencial estético era a atriz e modelo Marilyn Monroe, conhecida por coxas grossas e seios grandes. Já na década seguinte, Twiggy fazia sucesso com seu pouco peso e cabelos curtos. Os anos 1980 marcam o início da preocupação com o corpo, com a criação da moda fitness e o fenômeno das academias lotadas. Na década de 1990, as supermodelos magérrimas influenciavam mulheres do mundo todo a buscarem um corpo semelhante.

Hoje em dia vivemos uma constante dualidade: o crescimento dos movimentos de aceitação da diversidade de todos os corpos fora do padrão, como o movimento Corpo Livre e Body Positive. Porém, ao mesmo tempo, vivemos uma patrulha nas redes sociais, em busca do corpo perfeito, através do poder dos influencers.

Ao longo da história podemos perceber como os costumes e a sociedade podem interferir na nossa aceitação e relacionamento com nosso corpo. Esperamos que hoje, com toda a informação e poder de comunicação que temos, que cada vez mais seja propagado movimentos de aceitação de todos os corpos e que as pessoas possam se amar do jeito que são!

 

dorso estátua de vênusestátua venus de willendorf


Deixe um comentário

Os comentários precisam ser aprovados antes de serem publicados